domingo, maio 14, 2006

Mães Para Sempre


Foto: Site Amamentação On Line

Para Sempre

Por que Deus permite que as mães vão se embora?
Mãe não tem limite.
É tempo sem hora,
luz que não apaga quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido na pele enrugada.
Água pura, ar puro, puro pensamento.
Morrer acontece com o que é breve
e passa sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é a eternidade.
Por que Deus se lembra (mistério profundo)
de tirá-la um dia?...
Fosse eu rei do mundo,
baixava uma lei:
“Mãe, não morre nunca.
Mãe ficará sempre junto de seu filho.
E ele, velho embora,
Será pequenino feito grão de milho”.


Carlos Drummond de Andrade




A História do Dia da Mães

As mais antigas celebrações do Dia da Mãe remontam às comemorações primaveris da Grécia Antiga, em honra de Rhea, mulher de Cronos e Mãe dos Deuses. Em Roma, as festas comemorativas do Dia da Mãe eram dedicadas a Cybele, a Mãe dos Deuses romanos, e as cerimônias em sua homenagem começaram por volta de 250 anos antes do nascimento de Cristo.

Durante o século XVII, a Inglaterra celebrava no 4º Domingo de Quaresma (40 dias antes da Páscoa) um dia chamado “Domingo da Mãe”, que pretendia homenagear todas as mães inglesas. Neste período, a maior parte da classe baixa inglesa trabalhava longe de casa e vivia com os patrões. No Domingo da Mãe, os servos tinham um dia de folga e eram encorajados a regressar a casa e passar esse dia com a sua mãe.

À medida que o Cristianismo se espalhou pela Europa passou a homenagear-se a “Igreja Mãe” – a força espiritual que lhes dava vida e os protegia do mal. Ao longo dos tempos a festa da Igreja foi-se confundindo com a celebração do Domingo da Mãe. As pessoas começaram a homenagear tanto as suas mães como a Igreja.





A história da criadora do Dia das Mães

Anna Jarvis, apesar de muito bonita, nunca se casou. Afeiçoou-se assim muito à sua mãe com quem morava, juntamente com uma irmã, nos Estados Unidos. A morte de sua mãe em 1905, data em que a moça somava 41 anos, mudou toda a sua vida. Durante o período de luto teve a firme vontade de instituir um dia em homenagem às mães e sua vida passou a ter essa única diretriz.

Três anos depois, a 10 de Maio de 1907, foi celebrado o primeiro Dia da Mãe, na igreja de Grafton, reunindo praticamente família e amigos. Nessa ocasião, a sra. Jarvis enviou para a igreja 500 cravos brancos, que deviam ser usados por todos, e que simbolizavam as virtudes da maternidade. Ao longo dos anos enviou mais de 10.000 cravos para a igreja de Grafton – encarnados para as mães ainda vivas e brancos para as já desaparecidas – e que são hoje considerados mundialmente com símbolos de pureza, força e resistência das mães.

Segundo Anna Jarvis seria objetivo deste dia tomarmos novas medidas para um pensamento mais activo sobre as nossas mães. Através de palavras, presentes, atos de afeto e de todas as maneiras possíveis deveríamos proporcionar-lhe prazer e trazer felicidade ao seu coração todos os dias, mantendo sempre na lembrança o Dia da Mãe.

Face à aceitação geral, a sra. Jarvis e os seus apoiantes começaram a escrever a pessoas influentes, como ministros, homens de negócios e políticos com o intuito de estabelecer um Dia da Mãe a nível nacional, o que daria às mães o justo estatuto de suporte da família e da nação.A campanha foi de tal forma bem sucedida que em 1911 era celebrado em praticamente todos os estados. Em 1914, o Presidente Woodrow Wilson declarou oficialmente e a nível nacional o 2º Domingo de Maio como o Dia da Mãe.

Anna Jarvis queria tornar a data mundial e continuou sua campanha. Durante sua vida, outros 43 países adotaram a data.

Porém, as coisas passaram a ter um cunho diferente daquele desejado por ela. E Anna passou a escrever para uma centena de jornais: “Estão comercializando meu Dia das Mães. Não era isso o que eu desejava. Queria que este fosse um dia de sentimentos, e não de lucro”.

Considerava os floristas seus principais inimigos, pois se aproveitavam da flor preferida de sua mãe, o cravo branco, para lucrar.

O dinheiro que Anna havia herdado foi acabando. Ela recolheu-se, então, em sua casa, recusando-se a receber qualquer pessoa. Anna Jarvis morreu em 1948, em um sanatório.

Hoje em dia, muitos de nós celebram o Dia da Mãe com pouco conhecimento de como tudo começou. No entanto, podemos identificar-nos com o respeito, o amor e a honra demonstrados por Anna Jarvis há 96 anos atrás.

Apesar de ter passado quase um século, o amor que foi oficialmente reconhecido em 1907 é o mesmo amor que é celebrado hoje e, à nossa maneira, podemos fazer deste um dia muito especial.

E é o que fazem praticamente todos os países, apesar de cada um escolher diferentes datas ao longo do ano para homenagear aquela que nos põe no mundo.

Em Portugal, até há alguns anos atrás, o dia da mãe era comemorado a 8 de Dezembro, mas atualmente o Dia da Mãe é no 1º Domingo de Maio, em homenagem a Maria, Mãe de Cristo.

No Brasil, a introdução desta data se deu no RIO GRANDE DO SUL, em 12 de maio de 1918, por iniciativa de EULA K. LONG, em SÃO PAULO, a primeira comemoração se deu em 1921.

A oficialização se deu por decreto no Governo Provisório de Getúlio Vargas, que em 5 de maio de 1932, assinou o decreto nº 21.366. Em 1947, a data foi incluída no calendário oficial da Igreja Católica por determinação do Cardeal Arcebispo do Rio, Dom Jaime de Barros Câmara.



Dia das Mães no Mundo

2º domingo de maio – Estados Unidos, Brasil, Dinamarca,
Finlândia, Japão, Turquia, Itália, Austrália e Bélgica

2º domingo de fevereiro – Noruega

2º domingo de outubro – Argentina

2º dia da primavera – Líbano

1º domingo de maio - Portugal

10 de maio – México

8 de dezembro – Espanha

Último domingo de maio – Suécia

4º domingo da Quaresma – Inglaterra


Sites Úteis:

Amamentação , Signo do Bebê , Sono do Bebê , Lista do Enxoval , Chá de Bebê , Guia para Gestante , Ginástica na Gravidez , Dicas para Mamãe , A Origem do Seu Nome , A Origem dos Nomes Bíblicos


Fontes: Guia dos Curiosos (Marcelo Duarte) – Portugal / Sites: arteducacao.pro.br, graal.org.br, Link do Bebê. Estação do Bebê, Mais Jesus.net


PARABÉNS MÃES, VOCÊS SÃO VITORIOSAS!

4 comentários:

Larissa disse...

OIe...
tah lindo...
mais tah um pouko grandinho como eu sou priguiçosa...fikei lendo aos poukos neh ..rs
te adoro jr...
obrigada por ser meu amigoo

bjokas

L.L

Claudinha disse...

Olá Rogério! Que linda homenagem, uma pesquisa, muita informação... Fiquei contente por saber da relação com o meu segundo nome que é Cybele. Parabéns para a sua mamy e para você que nos deixa mais cultos. Beijão!

Rita disse...

Oi amigo. Está lindo o blog. Amei essa postagem que fez sobre o dia das mães.
Parabéns!!! Bjus

Pétala Gaúcha disse...

Olá Rogério!

Parabéns pelas informações e pela qualidade dos posts.

Tudo perfeito aqui. Preferi comentar neste post das mães pelo lirismo pelo qual sou apaixonada, e também para registra aqui meus parabéns a todas mamães do mundo.

Parabéns por mostrar-nos a origem e história deste dia e sua criação. Amei, pois desconhecia tudo isso. Um abraço, Pétala.