domingo, julho 23, 2006

O MAIS BELO JARDIM DO BRASIL


Foto: Juliana Faillace - Palmeiras

JARDIM BOTANICO – 198 Anos de Beleza Deslumbrante

O Jardim Botânico do Rio de Janeiro foi fundado em 13 de junho de 1808 pelo Príncipe Regente dom João VI. Sua criação tinha como objetivo introduzir e aclimatar plantas trazidas de outros continentes. Estabeleceu-se ao longo do tempo como uma Instituição Científica, hoje é Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, vinculado ao Ministério do Meio Ambiente.

O jardim começou a nascer em 1808 depois da construção da Fábrica de Pólvora por dom João VI, no local onde funcionava o engenho da família Rodrigo de Freitas. Nos arredores da fábrica, ele plantou um jardim para aclimatar as especiarias vindas do Oriente, tornou-se uma das mais belas áreas verdes da Zona Sul que viria a chamar-se Real Horto e, depois, Jardim Botânico. Sua história é diretamente ligada à chegada da Família Real no Rio de Janeiro, fugida das tropas de Napoleão Bonaparte.

O historiador Milton Teixeira, porém, contesta a data de fundação do parque. Segundo ele, em 1809 o engenho ainda funcionava e, numa visita de dom João, os escravos chegaram a abaixar as calças ao monarca. Apesar de informações de que o próprio dom João plantou, em 1809, uma palmeira - presente de Luiz de Abreu Vieira e Silva, que saqueou um jardim nas Ilhas Maurício - Teixeira afirma que até 1810 nada havia sido plantado no local. Segundo o historiador, dom João queria assumir o monopólio do chá, já que a Inglaterra estava impedida de exportar. Em 1811, chegaram 300 chineses ao Rio para trabalhar nos terrenos, mas a plantação não deu certo.



Foto: Carlos Grupilo - Fonte

O Jardim Botânico é aberto ao Público

As portas do Jardim Botânico só foram abertas ao público nos anos 20 do século 19. Desde então, recebeu visitantes ilustres, como Albert Einstein, a rainha Elizabeth da Inglaterra e o imperador japonês Akihito. Obras humanas foram preservadas no interior do parque. Mesmo após a explosão de 1831, sobraram da fábrica de pólvora ruínas do muro e o portal com o brasão da Coroa portuguesa. Outra construção centenária é o Centro de Visitantes, que funciona na sede do antigo engenho.

O prédio, construído em 1576, foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em 1937, 17 anos depois que o parque teve sua área reduzida. Antes, o Jardim Botânico ia até as margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, mas parte dele foi desapropriada em 1920 para a construção do Jóquei. O Jardim Botânico também foi definido pela UNESCO como Reserva da Biosfera, em 1992, e como Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, em 1999.


O Maestro do Jardim Botânico

O Jardim Botânico era o refúgio predileto de Tom Jobim. A vizinhança favoreceu a inspiração e o músico retribuiu defendendo a preservação do meio ambiente. Nos desenhos de Tom, desde a infância, estava a ligação dele com a natureza. Nos arquivos da família, há também fotos, partituras, discos e vídeos.

O acervo é a origem do projeto Centro Cultural Tom Jobim. E, se hoje os visitantes têm acesso a 9 mil recordações de Tom Jobim, é porque o próprio maestro guardava as peças que ajudam a contar como ele viveu e criou uma grande obra musical.

Há 17 anos, o mesmo Jardim Botânico foi cantado em prosa e imagem por Tom Jobim e pela sensível objetiva do fotógrafo carioca Zeca Araújo. A dupla produziu Tom Jobim, meu querido Jardim Botânico, coleção de 125 fotografias, comentários e poesias, lançada em versão bilíngüe e com textos de próprio punho (Ed. Jobim Music, 143 pág., R$ 49 no site Submarino.com


Foto: Site Oficial do Jardim Botânico - Garça

A Exuberância da Natureza

Um passeio pelas alamedas do parque, onde animais silvestres fazem parte do cenário ao som da melodia do canto de curiós e sabiás que habitam o lugar, deixam o público fascinado. A exuberância da natureza toma conta do visitante que, deslumbrado pelo colorido e a variedade da flora, captura imagens de todos os cantos, imagens que ficarão registradas na memória e na alma. Entre os cerca de 8200 exemplares da coleção viva do jardim, as atrações ficam por conta de palmeiras imperiais e espécies em extinção, como o pau-brasil, o aracá amarelo e o pau mulato, os canteiros medicinais e os jardins japonenes, sensorial e rotário.

O orquidário, é um espetáculo à parte. Seus três mil exemplares de 600 espécies diferentes deixam qualquer um sensibilizado pela sua rara beleza. Desde 1996, o joalheiro Antônio Bernardo adotou a coleção, assumindo a responsabilidade pela recuperação e manutenção das plantas. Outras atrações são o bromeliário, com cerca de 1700 bromélias de diversas formações, o violetário, a estufa das plantas insetíforas - que capturam e digerem insetos, a coleção dos cactos, considerada uma das maiores do Brasil e a coleção de plantas medicinais. Uma parada obrigatória é a visitação aos seis lagos do Jardim, que abrigam belíssimas espécies de vitórias régia, lótus, papirus e água-pé. Entre eles, o Lago do Frei Leandro, que ganhou um projeto paisagístico e está totalmente recuperado.

Garças, bem-te-vis e borboletas que sobrevoam essa enorme área verde fazem a alegria das crianças. Em contato mais próximo com a terra, elas têm o privilégio de conhecer as mais diversas espécies de plantas e sentir seus diferentes aromas e texturas. As grandes folhas redondas e carnosas da vitória-régia chamam a atenção da garotada, que aprende a respeitar e amar a natureza desde cedo.

Os pequeninos podem andar descalços e ainda brincar num parquinho ao ar livre, especialmente dedicado a eles, com banheiro infantil, areia limpinha e um quiosque com cardápio próprio para crianças. Enquanto a turminha se diverte na casinha de madeira, no escorrega, na gangorra e no balanço, os adultos podem degustar os quitutes que a lanchonete oferece e, depois, dar uma passadinha na livraria ou se deliciar com os brownies oferecidos pela cafeteria. Um programa imperdível com total conforto e segurança.


Foto: Carlos Grupilo - Passarinho

8º Concurso Anual de Fotografias sobre o Jardim Botânico

O Jardim Botânico do Rio de Janeiro é o tema exclusivo do 8º Concurso Anual de Fotografias – Ano 2006, promovido pela Associação de Amigos do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, com o co-patrocínio da ALL PHOTO e da T.TANAKA. As inscrições gratuitas terminam no dia 10 de agosto, às 17h, e serão premiados os trabalhos que melhor apresentar a perfeita identificação da foto com o ambiente fotografado. O tema do concurso inclui o Horto Florestal e o Solar da Imperatriz, que também fazem parte do Jardim.

O concurso está aberto a quaisquer participantes que poderão concorrer com um total de dois trabalhos nas duas categorias: coloridas e em branco e preto. A abertura da mostra e a entrega dos prêmios acontecerão no dia 18 de agosto, no Jardim Botânico, data em que a Associação de Amigos comemora 20 anos de fundação. A exposição, que será composta de cem trabalhos selecionados pela Comissão Julgadora, ficará aberta ao público até o dia 27 de agosto.

Serão premiados os cinco melhores trabalhos em cada categoria, no valor total e global de R$ 6.900,00 em material fotográfico de livre escolha, desde que disponíveis em uma das lojas da All Photo. Os trabalhos selecionados receberão certificados de participação pela qualidade e passarão à propriedade plena da associação, que se obriga a dar crédito de autoria em caso de utilização futura da foto em suas publicações promocionais.

As fotos deverão apresentar o tamanho padronizado em 30x40m centímetros ou 30x30 no caso de formato quadrado. As fotos devem ter sua autoria identificada mediante etiqueta no verso (nome, endereço, telefone, e-mail e título da foto). A foto vencedora de 2005 foi “O Banho das Tiribas”, de J.Quental, que retratou o banho desses pássaros no Chafariz Central do Jardim Botânico.

As inscrições podem ser feitas na sede da Associação, rua Jardim Botânico, 920, ou em qualquer loja da All Photo.


QUERO CHEGAR LÁ...

Visitação Guiada / Maiores Informações: Centro de Visitantes pelo telefone (21) 3874-1808 / 3874-1214. no caso das visitas Guiadas deverão ocorrer no período de segunda a sexta-feira, entre 9h às 16h e podem ser feitas em português, inglês e espanhol. Para uma visitação sem prévio agendamento será necessário verificar a disponibilidade no local (Centro de Visitantes) no momento da visita. Não há custo adicional para esse serviço.

Ingresso: R$ 4,00 (p/pessoa) + R$ 4,00 ( Estacionamento )

Endereços das bilheterias e entradas:
Rua Jardim Botânico, 920 (pedestres)e 1008 (veículos)- Jardim Botânico

ATENÇÃO: O Parque está aberto aos visitantes de segunda a domingo, de 8h às 17h, durante todos os dias do ano, excetuando-se dia 25 de dezembro e 1 de janeiro. Crianças até 6 anos(inclusive) e Adultos acima de 65 anos(inclusive) não pagam ingresso.

Fontes: Jb on line / rio.rj.gov.br / jbrj.gov.br / Isto É on line

Um comentário:

Sâmea disse...

Oi Rogerio, obrigada pela visita no meu blog. Dia desses fui no Jardim Botânico e fiz uma visita guiada. Maravilhoso! Recomendado e inesquecível. Lindas imagens.

;)